De onde venho a guerra dita as regras
Se morre a troco de quase nada
A lei do mais voraz impera
Eu venho da vala
Agora vago no mundo

Do purgatório nosso de cada dia
Aonde os grandes mandam
E os fracos obedecem
Onde só a cova, a vala
Serve pra todos nivelar

Venho atrasado, há muito desvalido
Mas venho bem antes dos seus fundamentos
A minha palavra agora é só mais um grito
Da rouquidão de quem se grita
Por toda a vida em vão

Venho de onde você não consegue
Sequer ouvir falar

Venho pra findar o sortimento
De onde muitos têm pouco
E o muito só pra poucos há
Eu sou a face que nunca enxergará
Venho do fim das suas pretensões

Não me dê ouvidos
Não me dê razão
Não me olhe nos olhos
Aonde jazem os seus